A saudade como um dom de Deus e dos homens

Talvez um dos sentimentos mais difíceis de se traduzir o seu real significado seja a saudade. Embora o dicionário apresente a definição de que a saudade é um sentimento melancólico devido ao afastamento de uma pessoa, uma coisa ou um lugar, ou à ausência de experiências prazerosas já vividas, a sua real definição vai muito além disso.

Afinal, a sensação de incompletude provocada pelo sentimento nos desperta para experiências mais profundas, quando esta é acolhida como um dom de Deus

Quem não se recorda da experiência vivida pelo filho pródigo (Lc 15,11-31), que ao cair em si sentiu saudades de casa e voltou para o seu lar? A saudade que sentiu o fez reconhecer a bondade e o amor que recebia e assim retornar, deixando para trás o orgulho.

Certamente, podemos dizer também que a saudade é lugar de retorno. Principalmente no que diz respeito a nossa relação com Deus.

É ela que nos faz retornar à oração e restabelecer os laços de amizades com Deus. Além de nos fazer contemplar a beleza do cuidado e Presença Dele que sempre caminha ao nosso lado e não nos abandona em nenhum momento.

O louvor e a gratidão gerados pela saudade nos impulsionam a seguir um caminho de recomeço, nos lançando para a frente com a esperança daquilo que está por vir.

Porém, devemos tomar cuidado com o saudosismo que, diferente da saudade, tende a nos paralisar no passado e a querer que as coisas sejam sempre do mesmo jeito. Não, a saudade, assim como o passado, deve ser vista como ponto de partida e não de permanência.

Nem sempre temos a oportunidade de saciar a saudade que sentimos em nosso coração, mas, motivados por ela, podemos nos lançar para o amor, para a ação concreta ao encontro do outro. 

A saudade nos desperta para a criatividade no amor, uma vez que para saciar essa ausência nos abrimos para ir além e buscamos diferentes formas de expressar aquilo que sentimos. Quanto maior a saudade, maior a criatividade.

Um senso comum deste tempo em que vivemos é a saudade que sentimos de estar ao lado das pessoas que amamos, da convivência diária, de podermos abraçar, de estar junto com aqueles que nos são caros.

Quantos de nós vimos partir neste tempo de pandemia pessoas tão especiais e importantes? Contudo, que neste dia da saudade não habite em nós a tristeza, mas sim a gratidão pelos momentos compartilhados e a esperança do reencontro.

O céu é a nossa morada, é para lá que fomos criados e poderemos retornar um dia com a graça de Deus. Portanto, que possamos acolher a saudade que hoje sentimos para assim transformá-la em gestos de amor, entrega e doação para aqueles que estão aqui conosco. 

E hoje, qual a saudade que habita em seu coração? Compartilhe conosco!

Comentário

Your email address will not be published.Required fields are marked *

Facebook Twitter Instagram YouTube