Pastoral do Dízimo – uma pastoral de evangelização

Infelizmente ainda há quem olhe com preconceito para a Pastoral do Dízimo e seus membros. Isso acontece porque grande parte das pessoas enxergam o dízimo a partir de uma visão distorcida, como uma pastoral que só existe para pedir dinheiro.

Além disso, alguns paroquianos têm dúvidas se realmente precisam ser dizimistas. Muitos pensam: outros já dão o dízimo, porque eu também preciso dar?

No entanto, para viver a experiência do dízimo é necessário buscar uma maior intimidade com o amor de Deus. Apenas assim conseguirão viver na prática uma transformação de vida que nos livra do egoísmo, que nos abre à caridade e nos estimula à confiança na Providência Divina. 

Dessa maneira o dízimo deixa de ser visto como contribuição obrigatória e passa a ser um gesto de gratidão e reconhecimento do que Deus faz por nós.

Pela ótica do amor vemos como a partilha do dízimo traz inúmeros benefícios para a Casa de Deus, para nós mesmos e para a comunidade.

Afinal, o que é o dízimo?

O dízimo “está relacionado com a experiência de Deus, que, por amor, entregou seu Filho por nós e por todo o mundo” (Documento 106 da CNBB, n.8).

É um gesto concreto de um coração agradecido, que deseja manifestar a Deus sua gratidão, afinal é Dele que provém toda graça. Tudo o que temos vem de Deus e é para a Sua glória.

O dízimo é uma pequena parte que devolvemos a Deus por tudo o que Dele recebemos. 

A contribuição do Dízimo é também sinal do amor que dedicamos aos irmãos. É a partilha dos bens com os necessitados. “O dízimo está também relacionado com o amor fraterno, pois manifesta a amizade que circula entre os membros da comunidade. Ele traz à vida cristã os elementos de uma caridade ativa na prática dessa experiência” (Documento 106 da CNBB, n.8).

Com a nossa partilha expressamos diversas coisas, entre elas: gratidão; amor a Deus, aos irmãos e à igreja; responsabilidade pela comunidade de fé; solidariedade e fraternidade; compromisso de fé.

As 4 dimensões do dízimo

O Documento 106 da CNBB nos apresenta as 4 dimensões do dízimo para nos explicar a sua finalidade na igreja.

Dimensão religiosa: trata-se da relação do fiel com Deus; o dízimo nos coloca no Coração de Deus, afinal ele é um ato de reconhecimento, de gratidão, de amor e de fidelidade a Ele que tudo nos oferece com amor.

Dimensão eclesial: com a consciência de ser membro da Igreja, o fiel ajuda nas despesas necessárias para a realização do culto divino, como por exemplo, despesas com energia elétrica, água, a compra das hóstias e tudo o que é necessário; neste sentido, o dízimo manifesta a nossa pertença à comunidade e ao mesmo que a igreja nos pertence.

Dimensão missionária: a nossa colaboração favorece a realização de projetos de evangelização comum, de cada diocese, assim como a comunhão de recursos com comunidades mais pobres; desta maneira, o fiel participa da ação evangelizadora da igreja.

Dimensão caritativa se manifesta no cuidado com os mais pobres e necessitados da comunidade. Todo batizado é chamado a viver o amor para com os irmãos e esse amor se manifesta por meio da partilha.

Quais são as ações da Pastoral do Dízimo?

A melhor definição sobre a Pastoral do Dízimo é que ela é responsável pela evangelização, motivando os fiéis à partilha de uma forma consciente, a partir da vivência da fé, do amor à Igreja, aos irmãos e a Deus. 

É sua função principalmente mostrar com clareza aos fiéis que o dízimo acontece a partir de uma experiência com o amor de Deus. Assim também demonstrar a importância do dízimo para a igreja, esclarecendo todas as dúvidas. 

Além disso, é sua responsabilidade apresentar a toda comunidade, com transparência, onde a contribuição mensal é destinada e de que maneira.  

Para isso são realizados plantões do dízimo, a fim de manter as ações sempre vivas.

A Pastoral do Dízimo busca subsídios para desenvolver um trabalho evangelizador, envolvendo todos os agentes. 

Os principais objetivos são organizar, planejar, executar e motivar os agentes de pastorais, para que cada vez, a Basílica São Miguel Arcanjo tenha dizimistas mais conscientes de sua missão. 

Como ser dizimista na Basílica de São Miguel Arcanjo?

Todos que desejam partilhar o dízimo na Basílica de São Miguel Arcanjo devem procurar o plantão do dízimo, que está presente em todas as santas Missas dominicais. 

Fora do horário dessas Missas é também possível fazer a partilha do dízimo na secretaria paroquial, durante a semana, em horário comercial.

É possível fazer a partilha via transferência bancária, Pix ou QR-Code.  

O dízimo é uma vivência espiritual que nos permite viver do jeito de Deus!

Comentário

Your email address will not be published.Required fields are marked *

Facebook Twitter Instagram YouTube